segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Amo-te não sabes o quanto


Mesmo sem que tu me queira
Amo-te não sabes o quanto
Resolvi, de qualquer maneira
Afastar-me de ti portanto
Remo contra marés e ventos
Onde nada posso fazer
Sem querer evitar os contratempos
Estou aqui… sem te esquecer
Logo mais, em incerteza digo “vai passar”
Ainda não sabes, mas muito te amo
Irei daqui para longe… outro lugar
Nunca, nunca mais Amor te chamo
Esse nome do qual não consigo me desligar
Mentiria se te disser,
Um dia que não te quero
Levo-te comigo sempre que quiser
Levanto-me sempre com desespero
E este meu querer
Relembro teu rosto, teus olhos, teu cheiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário