domingo, 18 de novembro de 2012

Lágrimas



Me pesa o ser
Cae e se vai
Não fica e muito molha
Se mistura no suor
Vem junto com a dor
Não pise nessa poça
São gotas de saudade
Meus olhos como chuva
Não chore minha alma
Mesmo estando em pranto
Mantenha em segredo
Pois nelas tem sangue
Um poço de tristeza
Coração que transbordou
Sem culpa derramou
Pingos e mais Pingos
São tão minhas
É tudo o que me restou. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário