sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Inocência Morta



A inocência do mundo morreu...
a pureza no olhar foi manchada, se acabou,
o encanto da vida se perdeu.
A alma foi maculada, os sonhos disseram adeus.
Rotinas banais,
tudo o que se passa é o mais triste vazio repleto do nada.
Dias todos iguais, 
o comum reina e se glorifica na prudência covarde e egoísta,
do homem limitado e iludido que mata a divindade em si,
mas se envaidece por ser a imagem e a semelhança de Deus.
Na infinidade de tanta arrogância,
impera a superficialidade, a intemperança.
Conveniência é o que importa.
Renuncia-se a essência autêntica do coração 
por falsas verdades impostas. 
Celebra-se a demência da razão.
Solidão de nós mesmos é o que acontece a nossa volta.
Nessa realidade em que a inocência está morta,
o amor deixou de existir,não pode ser teu ou meu, 
se é que a algum de nós realmente pertenceu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário