sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Infinito



Viajei, sonhei o perfume
esperado, mas caí de um
pesadelo carnal, sem fantasia
e sem brilho de carnaval.
Senti a realidade cruel de
acordar e não enxergar
por debaixo de véu a Verdade.
Voei, voei alto ultrapassando
o limite máximo de Ícaro
ocasionando uma parada brusca
no ar, e despenquei em teus braços
macios e cheios de fantasia.
Era isso que minha alma queria
uma miragem real e uma
fotografia sem fundo falso
de imagem dupla.
Não quis andar na linha
porque só os sonhadores
caminham na estrada de ferro
das ilusões perdidas.
Vida que se perde no caminho
esconde abraços, beijos e
carinhos.
Sou eu um amor incompleto
vazio na noite escura,
completo nas palavras de amor.
Perdido e no retrovisor da alma
escuto o gemido de dor...
Uma voz silenciada
calma de quem ainda
ama e amada foi...
Algo assim nunca foi escrito,
para um sentimento deixado no
passado, escuro no presente
e perdido no infinito. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário