domingo, 18 de setembro de 2011

Saudades que não vai...




Há quem se sinta feliz
 por ter saudades para sentir,
 não sabendo se isso traz prazer,
 ou se cria tortura,
 pois que as lembranças
 trazem felicidade,
 mas também insistem
 com velhas fotos indesejáveis.
 Existem fracos
 que se ajustarão aos tempos senis,
 existem valentes que erguem rebeliões,
 mas que também
 terão que suportar os tempos senis.
 Ilusões da vida.
 A musa lua é bela na imaginação.
 A ciência descobre
 sua superfície de crateras...
 O que importa, então,
 não é o real, mas o sonhado.
 O que consola não são os espelhos,
 mas o coração pacificado
 que aprende a distância
 entre o amor e o ódio,
 que soube viver a paixão
 e sobreviver a ela,
 para conhecer o amor.
 E então, a plenitude,
 a memória  que nunca se esvaíi,
 pois que não habita o cérebro,
 mas o interior do coração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário