quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

O livro dos dias...

Ausente o encanto antes cultivado
Percebo o mecanismo indiferente
Que teima em resgatar sem confiança
A essência do delito então sagrado
Meu coração não quer deixar meu corpo descansar
E teu desejo inverso é velho amigo
Já que o tenho sempre a meu lado
Hoje então aceitas pelo nome
O que perfeito entregas mas é tarde
Só daria certo os dois que tentam
Se ainda embreagado pela fome
Exatos teu perdão e tua idade
O indulto a ti tomasse como benção
Não esconda a tristeza de mim
Todos se afastam quando tudo dá errado
Quando o que temos é um catálogo de erros
Quando precisamos de carinho força e cuidado
Este é o livro das flores
Este é o livro do destino
Este é o livro dos nossos dias
Este é o dia de nossos amores

Nenhum comentário:

Postar um comentário